Livraria Cultura

2

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Se um viajante numa noite de inverno (Italo Calvino)

























"Você vai começar a ler o novo romance de Italo Calvino, Se um viajante numa noite de inverno. Relaxe. Concentre-se. Afaste todos os outros pensamentos. Deixe que o mundo a sua volta se dissolva no indefinido. É melhor fechar a porta; do outro lado há sempre um televisor ligado. Diga logo aos outros: Não, não quero ver televisão!. Se não ouvirem, levante a voz: Estou lendo! Não quero ser perturbado!. Com todo aquele barulho, talvez ainda não o tenham ouvido; fale mais alto, grite: Estou começando a ler o novo romance de Italo Calvino!. Se preferir, não diga nada; tomara que o deixem em paz. Escolha a posição mais cômoda: sentado, estendido, encolhido, deitado. Deitado de costas, de lado, de bruços. Numa poltrona, num sofá, numa cadeira de balanço, numa espreguiçadeira, num pufe. Numa rede, se tiver uma. Na cama, naturalmente, ou até debaixo das cobertas. Pode também ficar de cabeça para baixo, em posição de ioga. Com o livro virado, é claro."























"Há uma linha limítrofe: de um lado estão aqueles que fazem os livros, do outro, aqueles que os leem. Quero continuar sendo parte dos que leem e, por isso, fico alerta para manter-me sempre aquém dessa linha. Caso contrário, o prazer desinteressado de ler acaba ou se transforma em outra coisa, que não é o que desejo. Trata-se de uma linha fronteiriça aproximativa, que tende a desaparecer: o mundo daqueles que se relacionam profissionalmente com livros é sempre mais populoso e tende a identificar-se com o mundo dos leitores. Certamente, também os leitores são cada vez mais numerosos, mas pode-se dizer que o número daqueles que usam os livros para produzir outros livros cresce mais depressa que o daqueles que se satisfazem em lê-los e amá-los. Sei que, se ultrapassar esse limite, mesmo ocasionalmente, correrei o risco de confundir-me com essa maré que avança; por isso, eu me recuso a entrar numa editora, mesmo que por alguns minutos."






















Mais frases & trechos selecionados pelos leitores: aqui!
















Assista ao vídeo:









quinta-feira, 3 de agosto de 2017

O Conto da Aia (Margaret Atwood)















































































Mais frases & trechos selecionados pelos leitores: aqui!

















Esse livro virou série: assista ao trailer:













quinta-feira, 29 de junho de 2017

O Jantar (Herman Koch)

.





























































Mais frases & trechos selecionados pelos leitores:  aqui!















Esse livro virou filme: assista ao trailer:











domingo, 23 de abril de 2017

Mapa literário do mundo: lista









ÁFRICA






Angola: A gloriosa família (Pepetela)



África do Sul: Desonra (J. M. Coetzee)













Botsuana: Agência nº 1 de mulheres detetives (Alexander McCall Smith)
Camarões: O velho negro e a medalha (Ferdinand Oyono)
Chade: As raízes do céu (Romain Gary)
Egito: Entre dois palácios (Naguib Mahfuz)
Etiópia: Sob o olhar do leão (Maaza Mengiste)


Líbia: No país dos homens (Hisham Matar)




Mali: Soundiata ou l'épopée mandingue (Mamadou Kouyaté)
Marrocos: O menino de areia (Tahar Ben Jelloun)
Mauritânia: Silent terror (Samuel Cotton)
Moçambique: Terra sonâmbula (Mia Couto)
Namíbia: Born of the sun (Gillian Cross)
Níger: Sarraounia (Abdoulaye Mamani)


Nigéria: O mundo se despedaça (Chinua Achebe)



Quênia: Pétalas de sangue (Ngũgĩ wa Thiong'o)
República Centro-Africana: Batouala (René Maran)
República Democrática do Congo: L’Ante-Peuple (Sony Labou Tansi)

Somália: O pomar das almas perdidas (Nadifa Mohamed)



Sudão do Sul: They poured fire on us from the sky (Benson Deng, Alephonsion Deng, Benjamin Ajak e Judy A. Bernstein)
Sudão: Lyrics Alley (Leila Aboulela)
Tanzânia: Desertion (Abdulrazak Gurnah)
Uganda: Abessijne Kronieken (Moses Isegawa)
Zâmbia: Scribbling the cat (Alexandra Fuller)
Zimbábue: The house of hunger (Dambudzo Marechera)









AMÉRICAS 









Argentina: Ficções (Jorge Luis Borges)
Bahamas: The measure of a man (Sidney Poitier)
Belize: Beka Lamb (Zee Edgell)
Bolívia: Raza de bronce (Alcides Arguedas)





Canadá: Anne of Green Gables (L. M. Montgomery)






Costa Rica: La isla de los hombres solos (José León Sánchez)
Cuba: Havana (Martin Cruz Smith)
El Salvador: Aroma de café amargo (Sandra Benítez)
Equador: Huasipungo (Jorge Icaza)





Guatemala: Homens de milho (Miguel Ángel Asturias)
Guiana Francesa: Papillon (Henri Charrière)
Guiana: O palácio do pavão (Wilson Harris)
Groenlândia: Islands, the Universe, Home (Gretel Ehrlich)
Haiti: Breath, Eyes, Memory, (Edwige Danticat)
Honduras: Cipotes (Ramón Amaya Amador)
Jamaica: A breve história de sete assassinatos (Marlon James)





Nicarágua: O país sob minha pele (Gioconda Belli)
Panamá: Plenilunio (Rogelio Sinán)
Paraguai: Eu o Supremo (Augusto Roa Bastos)


Pequenas Antilhas: Vasto mar de sargaços (Jean Rhys)



Porto Rico: When i was Puerto Rican (Esmeralda Santiago)
Peru: Lituma nos Andes (Mario Vargas Llosa)


República Dominicana: A fantástica vida breve de Oscar Wao (Junot Díaz)




Suriname: Hoe Duur Was de Suiker, (Cynthia McLeod)
Uruguai: Futebol ao sol e à sombra (Eduardo Galeano)
Venezuela: Dona Bárbara (Rómulo Gallegos)







ÁSIA







Afeganistão: O caçador de pipas (Khaled Hosseini)
Arábia Saudita: Cities of salt (Abdur Rahman Munif)
Armênia: The Fool (Raffi)
Azerbaijão: Blue angels (Chingiz Abdullayev)
Bangladesh: Uma era de ouro (Tahmima Amam)
Brunei: Some girls (Jillian Lauren)
Butão: The circle of karma (Kunzang Choden)
Camboja: First they killed my father (Loung Ung)
Cazaquistão: The book of words (Abay Qunanbayuli)
China: Dream of the red chamber (Cao Xueqin)
Coreia do Norte: The aquariums of Pyongyang (Kang Chol-hwan)

Coreia do Sul: A vegetariana (Han Kang)




Emirados Árabes Unidos: The sand fish (Maha Gargash)
Filipinas: Noli Me Tangere (José Rizal)
Geórgia: O cavaleiro na pele de pantera (Shota Rustaveli)
Iêmen: The hostage (Zaid Damaj Mutiee)







Indonésia: Child of all nations (Pramoedya Ananta Toer)
Irã: Shahnameh, the epic of the kings (Ferdowsi)
Iraque: The madman of freedom square (Hassan Blasim)
Israel: Mornings in Jenin (Susan Abulhawa)

Japão: Coração (Natsume Soseki)



Kuwait: A map of home (Randa Jarrar)
Laos: On the other side of the eye (Bryan Thao Worra)
Líbano: The Hakawati (Rabih Alameddine)
Malásia: The garden of the evening mists (Twan Eng Tan)
Myanmar: Smile as they now (Nu Nu Yi)
Mongólia: The blue sky (Galsan Tschinag)
Nepal: Palpasa Cafe (Narayan Wagle)
Omã: The turtle of Oman (Naomi Shihab Nye)


Paquistão: O fundamentalista relutante (Mohsin Hamid)




Qatar: The emergence of Qatar (Habibur Rahman)
Quirguistão: Jamilia (Chingiz Aitmatov)
Síria: The dark side of love (Rafik Scahmi)
Sri Lanka: Anil’s ghosts (Michael Ondaatje)
Tailândia: Four reigns (Kukrit Pramoj)
Tajiquistão: Hurramabad (Andrei Volos)
Taiwan: Green island (Shawna Yang Ryan)
Timor Leste: The redundancy of courage (Timothy Mo)
Turquemenistão: A tale of Aypi (Ak Welsapar)

Turquia: Meu nome é Vermelho (Orhan Pamuk)




Uzbequistão: Chasing the sea (Tom Bissell)

Vietnã: The sorrow of war (Bao Ninh)






EUROPA








Albânia: O general do exército morto (Ismail Kadaré)
Alemanha: Os Buddenbrook (Thomas Mann)

Áustria: O homem sem qualidades (Robert Musil)




Bélgica: The sorrows of Belgium (Leonid Andreyev)
Bósnia e Herzegovina: O diário de Zlata (Zlata Filipovic)
Bulgária: Sob o jugo (Ivan Vazov)
Croácia: Café Europa (Slavenka Drakulic)





Eslováquia: Rivers of Babylon (Peter Pišťanek)
Eslovênia: Alamut (Vladimir Bartol)
Estônia: Verdade e justiça (A. H. Tammsaare)
Finlândia: Soldados desconhecidos (Väinö Linna)





Grécia: Ilíada (Homero)
Hungria: Eclipse of the crescent moon (Géza Gárdonyi)






Islândia: A voz (Arnaldur Indriðason)
Letônia: Nāvas Ena (Rūdolfs Blaumanis)
Lituânia: White field, Black sheep (Daiva Markelis)
Luxemburgo: In reality: selected poems (Jean Portante)






Moldávia: Educação siberiana (Nivolai Lilin)
Montenegro: Montenegro (Starling Lawrence)

Noruega: Fome (Knut Hamsun)




Países Baixos: A descoberta do céu (Harry Mulisch)
Polônia: Pan Tadeusz (Adam Mickiewicz)









República ChecaAs aventuras do bom soldado Švejk (Jaroslav Hasek)




Romênia: A floresta dos enforcados (Liviu Rebreanu)





Sérvia: O dicionário Khazar (Milorad Pavić)
Suécia: A saga de Gösta Berling (Selma Lagerlöf)
Suíça: Heidi (Johanna Spyri)
Ucrânia: A morte de um estranho (Andrei Kurkov)





OCEANIA








Austrália: Cloudstreet (Tim Winton)




Fiji: Tales of the Tikongs (Epeli Hau’ofa)
Ilhas Salomão: Suremada (Rexford T. Orotaloa)

Nova Zelândia: The bone people (Keri Hulme)


Papua-Nova Guiné: Death of a Muruk (Bernard Narokobi)
Vanuatu: Blackstone (Grace Mera Molisa)






Fontes: 
http://brasil.elpais.com/brasil/2017/04/18/cultura/1492512207_689285.html
http://www.indy100.com/article/literature-map-of-the-world-books-reading-reddit-7629456






Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...